Ponto onde convergem as minhas emoções, postas em verso, ou prosa, degrau onde coloco o que sinto e o que desejo e que poderei, talvez, partilhar com os meus amigos.

Wednesday, October 01, 2008




OH,MEU AMOR...



-De onde me chegam estas palavras?


Nunca houve palavras para gritar a tua ausência


Apenas o coração

Pulsando a solidão antes de ti

Quando o teu rosto dóia no meu rosto

E eu descobri as minhas mãos sem as tuas

E os teus olhos não eram mais

que um lugar escondido onde a primavera

refaz o teu vestido de corolas.


E não havia um nome para a tua ausência.


Mas tu vieste.


Do coração da noite?

Dos braços da manhã?

Dos bosques do Outono?


Tu vieste.


E acordas todas as horas.

Preenches todos os minutos.

acendes todas as fogueiras escreves todas as palavras.


Um canto de alegria desprende-se dos meus dedos

quando toco o teu corpo e habito em ti

e a noite não existe

porque as nossas bocas acendem na madrugada

uma aurora de beijos.


Oh, meu amor,

doem-me os braços de te abraçar,

trago as mãos acesas,

a boca desfeita

e a solidão acorda em mim um grito de silêncio

quando o medo de perder-te é um corcel que pisa os meus cabelos

e se perde depois numa estrada deserta por onde caminhas nua.


Joaquim Pessoa

2 Comments:

Blogger Je Vois la Vie en Vert said...

Belo texto de Fernando Pessoa !

Hoje, dia do sorriso, envio-te uns beijinhos verdinhos com um grande sorriso !

1:31 PM

 
Blogger A Sonhadora said...

This comment has been removed by the author.

5:32 PM

 

Post a Comment

<< Home

 
<BGSOUND SRC="music.mid" LOOP="INFINITE">